A tragédia brasileira: seminário internacional de 4 a 6 de maio discute os rumos do país

Em evento virtual apoiado pelo ISER, organizações discutirão negacionismos, fundamentalismos, ameaças aos direitos humanos, à economia e à biodiversidade no Brasil

Tragédia brasileira: risco para a casa comum?

Será realizado nos dias 4, 5 e 6 de maio, de modo totalmente online, o Seminário Internacional “Tragédia brasileira: Risco para a Casa Comum?”.

Organizações religiosas, de defesa dos direitos humanos e da socio biodiversidade conduzem a iniciativa que contará com representantes das igrejas, pesquisadores, ativistas, estudantes e especialistas de diferentes áreas.

O processo de desconstrução da democracia no Brasil experimentado nos últimos anos levou o país a emergências múltiplas: na área religiosa, com os fundamentalismos, na área econômica, com a ruptura do estado de bem-estar social, na área dos direitos humanos, com a violência crescente e o assassínio de grupos vulnerabilizados por suas características étnicas, raciais, sociais, territoriais e de gênero, na área da sociobiodiversidade, com a destruição das florestas, biomas e povos originários, na área da saúde, com a crise sanitária causada pelas inúmeras práticas de responsabilidade administrativa durante a pandemia da Covid-19 que contribuíram para um alto índice de contaminação e óbitos.

As políticas negacionistas do governo federal para o enfrentamento adequado da pandemia transformaram-na na emergência das emergências. Deste modo, o objetivo central do Seminário é analisar o cenário atual de colapso nos sistemas de saúde e de descaso com as políticas sanitárias referenciadas pela ciência, de modo a entender quais riscos o quadro presente pode representar (ou não) para o planeta como um todo – a nossa Casa Comum.

“Ao longo desses três dias vamos aprofundar a análise da conjuntura brasileira à luz das pandemias e mensurar os impactos dos fundamentalismos para a democracia, economia, sociobiodiversidade e a crise sanitária”, explicou a secretária-geral do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil (Conic), Romi Bencke, acrescentando que a ideia é, também, “estabelecer alianças e estratégias de ação”.

Como participar?

A atividade é gratuita, virtual e será aberta a todas as pessoas. Para acompanhar, basta acessar pelas redes sociais das organizações promotoras do evento:

Link para inscrição e confirmação

Facebook do Conic

Facebook da Cese

Quando?

Dias 4, 5 e 6 de maio de 2021.

Em qual horário?

Das 10h00 às 12h30 (horário de Brasília), sendo que no dia 4 começa às 9h30.

Realização:

CBJP, Conic, CESE, FLD, Feact-Brasil, IHU Unisinos, CNBB/Pastorais Sociais, #RespiraBrasil

Apoios: ISER, PAD, CRB, REPAM Brasil

Língua: Haverá tradução simultânea Português-Inglês-Português

PROGRAMAÇÃO

Dia 04 de maio

Mesa de Abertura

Romi Márcia Bencke: Secretária-geral do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs e integrante da Coordenação do FEACT-Brasil e do Grupo de Referência da Plataforma dos Movimentos Sociais pela Reforma do Sistema Político. É teóloga pelas Faculdades EST e pastora da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil.

Olivier De Schutter: Relator Especial da ONU sobre pobreza extrema e direitos humanos desde maio de 2020. Ele foi membro do Comitê de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais da ONU entre 2015 e 2020, e foi o Relator Especial da ONU sobre o direito de alimentos entre 2008 e 2014.

10h00 -11h10
1ª Mesa

Templo e Democracia: os Riscos para a Casa Comum

Rosane Borges: jornalista, pesquisadora colaboradora do Centro Multidisciplinar de Pesquisas em Criações Colaborativas e Linguagens Digitais da Escola de Comunicações e Artes da USP. Doutora e mestre em Ciências da Comunicação. Livros publicados: Esboços de um tempo presente, Mídia e Racismo; Jornal: da forma ao discurso, Rádio: a arte de falar e ouvir, Espelho infiel: o negro no jornalismo.

Jessé de Souza: sociólogo, professor universitário e pesquisador, Area de atuação: Teoria Social, pensamento social brasileiro e estudos teórico/empíricos sobre desigualdade e classes sociais no Brasil contemporâneo. Livros publicados: A Ralé Brasileira, A Radiografia do Golpe, A Elite do Atraso e A Classe Média no Espelho.

Convidado internacional: Rev. Dr. Olav Fykse Tveit, Presidente da Conferência Episcopal da Igreja da Noruega. Tveit foi Secretário-Geral do Conselho Mundial de Igrejas de agosto de 2009 a março de 2020, ocasião em que renunciou ao cargo para tornar-se o Presidente da Conferência Episcopal da Igreja da Noruega.

Mediação: Bispa Marinez Bassoto, Igreja Episcopal Anglicana do Brasil.

11h20 às 12h30
2ª Mesa
Templo e Mercado: a ameaça dos fundamentalismos confluentes

Magali Cunha: doutora em Ciências da Comunicação, mestre em Memória Social e graduada em Comunicação Social (Jornalismo). É colunista da Carta Capital. Livro publicado: É autora de Explosão Gospel. Um olhar das ciências humanas sobre o cenário evangélico contemporâneo.

Edmilson Schinelo: mestre em Teologia pelas Faculdades EST, graduação em Filosofia Universidade Católica Dom Bosco. Professor da Universidade Católica Dom Bosco – UCDB e assessor/colaborador no Centro de Estudos Bíblicos

Convidado internacional: Edgar Arturo Sánchez Mendoza, diplomado em Economia da Cooperação pela Philipps-Universität Marburg., B.A. em Ciência Política e Mestrado em Sociologia pela Universidad Costa Rica. Presentemente é o responsável pelo Instrumento de Cooperação para a Facilitação de Cooperantes para a América do Sul, México e o Caribe de Pão para o Mundo, em Berlim.

Mediação: Rev. Sônia Gomes Mota, Mestra em Teologia, Diretora Executiva da Coordenadoria Ecumênica de Serviço (CESE); Integra a Coordenação do FEACT- Brasil e do PAD

05 de maio 10h00 -11h10

Mística: espiritualidade indígena

3ª Mesa
Direitos Humanos e Sociais: desigualdades agravadas

Benilda Brito: pós-graduada em Psicopedagogia, Mestra em Gestão Social, integra a Plataforma DHESCA, Consultora da ONU e do Nzinga-Coletivo de Mulheres Negras de Belo Horizonte e Ativista pela Educação da rede Malala.

Ailton Krenak: líder indígena, ambientalista, filósofo, poeta e escritor brasileiro. Organizou a Aliança dos Povos da Floresta, que reúne comunidades ribeirinhas e indígenas na Amazônia. É comendador da Ordem de Mérito Cultural da Presidência da República e doutor honoris causa pela Universidade Federal de Juiz de Fora, em Minas Gerais. Livro publicado: Ideias para adiar o fim do mundo.

Convidados internacionais: Monsenhor Bruno-Marie Duffé e Christine Jeangey, Dicastério para o Desenvolvimento Humano Integral

Monsenhor Bruno-Marie Duffé é doutor em filosofia sobre o pensamento de Hannah Arendt pela Universidade Paris X, Mestre em Teologia pela Faculdade de Teologia Católica de Lyon. Ele foi professor de teologia e vigário episcopal na Diocese de Lyon, foi professor convidado à Universidade de Lovaina e à Universidade do Québec em Montreal. Atuou no Haiti, Ruanda, Kosovo, Lituânia, Ucraína, Argélia, Camarões, Israel e Palestina, em nome da Missão internacional de formação e mediação, pelo Instituto dos Direitos Humanos de Lyon, por mandado das Nações Unidas (Alto Comissariado para os DH e Alto Comissariado para os refugiados). É Secretário do Dicastério Vaticano para o Serviço ao Desenvolvimento Humano Integral desde 2017.

Mediação: Raimundo César Barreto Jr., professor associado no Princeton Theological Seminary, tem doutorado em Religião e Sociedade. Pastor batista com longa caminhada ecumênica, foi Diretor de Liberdade e Justiça da Aliança Batista Mundial, e atualmente coordena o Comitê de Relações Ecumênicas e Interreligiosas das American Baptist Churches (USA). Um dos fundadores da Aliança de Batistas do Brasil, ele também coordena o GT de Religião da Rede nos EUA pela Democracia no Brasil.

11h20-12h30
4ª Mesa
Sociobiodiversidade em asfixia: terra, territórios e povos ameaçados

Luiz Marques: graduado em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas, Diplôme d’Études Approfondies (DEA) em Sociologia da Arte – Ecole des Hautes Etudes en Sciences Sociales, Paris (1979) e Doutorado em História da Arte – EHESS . Livro publicado: Capitalismo e colapso ambiental

Nara Baré: a primeira mulher a assumir a liderança da Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (Coiab). Ganhadora do Prêmio Franco-Alemão de Direitos Humanos e do Estado de Direito em reconhecimento ao seu compromisso com a proteção do meio ambiente e a defesa dos direitos indígenas.

Convidado internacional: Josianne Gauthier, advogada canadense com mais de 20 anos de experiência em desenvolvimento internacional e solidariedade, com um forte foco em direitos humanos, direitos da criança, justiça social e trabalho de defesa inspirado na fé. Ela passou 17 anos trabalhando para o braço canadense da CIDSE (Família Internacional das Organizações Católicas de Justiça Social) em engajamento público, defesa e participação nos esforços da Igreja Católica para renovar relacionamentos corretos com os povos indígenas. Desde que ingressou na CIDSE em 2017, ela tem se envolvido ativamente em redes e ações com foco em justiça climática, mudança sistêmica e promoção de estilos de vida sustentáveis.

Mediação: Moema Miranda, OFS, é antropóloga e doutoranda em Filosofia. Integra a coordenação da Rede Igrejas e Mineração. É assessora da Comissão Episcopal Pastoral Especial para Ecologia Integral e Mineração, CEEM/CNBB e membro da Coordenação Nacional do Serviço Inter-franciscano de Justiça Paz e Ecologia (SINFRAJUPE). Atua como na assessora na Rede Eclesial Pan-Amazônica, REPAM, tendo participado como Auditora no Sínodo para a Amazônia.

06 de maio

10h00 às 11h10
5ª Mesa
Pandemia e crise sanitária no Brasil

Gonzálo Vecina: graduado pela Faculdade de Medicina de Jundiaí, Mestre em Administração, Concentração de Saúde, pela EAESP/FGV. Atuou como Secretário Municipal de Saúde de São Paulo, entre 2003 e 2004, Secretário Nacional da Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde. Foi Diretor Presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA. Professor Assistente da Faculdade de Saúde Pública da USP desde 1988. Superintendente do Hospital Sírio Libanês desde 2007.

Aida Cristina do Nascimento Silva: graduada em Engenharia Sanitária pela Universidade Federal da Bahia, mestre em Tecnologia Ambiental e Recursos Hídricos pela Universidade de Brasília e doutorado em Saúde Coletiva pela Universidade Federal da Bahia. Professora convidada do Instituto de Saúde doutorado da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia, professora da Escola Politécnica – Universidade Federal da Bahia, pesquisadora e docente do Centro de Pesquisa Gonçalo Muniz.

Convidado internacional: LLM. Peter Prove, Diretor da Comissão das Igrejas para Relações Internacionais do Conselho Mundial de Igrejas.

Mediação: Rev. Ma. Lusmarina Campos Garcia, teóloga e pastora da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil, Mestra em Direito na área de direitos humanos e doutoranda em direito na Universidade Federal do Rio de Janeiro; integra o Instituto de Estudos da Religião (ISER).

11h20-12h30
6ª Mesa
Estratégias e encaminhamentos

João Pedro Stedile: economista, ativista e escritor brasileiro. É graduado em economia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, e pós-graduado pela Universidade Nacional Autônoma do México.

Romi Márcia Bencke: secretária geral do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs e integrante da Coordenação do FEACT-Brasil e do Grupo de Referência da Plataforma dos Movimentos Sociais pela Reforma do Sistema Político.

Convidado internacional: Thomas Fatheuer – KOBRA

Mediação: Daniel Seidel, mestre em Ciência Política da UnB, membro da Comissão Brasileira Justiça e Paz (CBPJ), assessor da REPAM, integra a coordenação nacional do Movimento Fé e Política.

Mística Final: Coral de Mulheres do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra

Publicado em: 03/05/2021 - #ISER apoia