25 de Julho – Dia Internacional da Mulher Negra Latino-americana

No dia 25 de julho celebramos o dia internacional da Mulher Negra Latino-americana e Caribenha, uma data para reforçar a importância de refletir e de fortalecer as organizações voltadas a essas mulheres e suas diversas lutas.

No Brasil foi instituído por meio da Lei nº 12.987, o dia 25 de julho como o Dia Nacional de Tereza de Benguela e da Mulher Negra, homenageando uma dessas principais mulheres, símbolo de resistência e importante liderança na luta contra a escravização.

Apesar de os espaços de debate e decisão sobre crise climática serem majoritariamente ocupados por brancos e brancas, vemos cada vez mais mulheres negras que lutam contra o racismo ambiental e pela justiça climática, já que os impactos das mudanças climáticas afetam principalmente essa população.

A ONU Mulheres, Cepal e Fundação Friedrich Ebert lançaram o relatório sobre gênero, mudanças climáticas e sustentabilidade, que ressalta a importância de superar os desafios estruturais que envolvem as emergências climáticas, já que as mulheres negras são as mais afetadas pelas mudanças climáticas nos seus diversos contextos e realidades.

Fazemos aqui uma homenagem a quatro mulheres negras de origem latino-americana e caribenha, que trabalham com o ativismo climático, e que você precisa conhecer!

Em sentindo horário:

Michelle Gyles-McDonnough

A Jamaicana é Diretora da Unidade de Desenvolvimento Sustentável do Escritório Executivo da Secretaria Geral das Nações Unidas, Nova York. Também atuou como coordenadora do Programa de Recuperação de Granada, após os furacões que devastaram o país caribenho em 2004.

Maria do Socorro da Silva

É líder quilombola e ativista ambiental e tem dedicado a vida toda para defender onde vive, em Barcarena, no Pará. Ela foi eleita pelo jornal inglês The Guardian como uma dos nove ativistas mais relevantes da atualidade.

Amanda Costa

Amanda Costa é ativista climática, evangélica, jovem embaixadora da ONU, delegada do Brasil no Youth 20, fundadora do Perifa Sustentável e em 2021 entrou para a lista #Under30 da revista Forbes.

Mãe Beth de Oxum

É Iyalorixá do Ilê Axé Oxum Karê, mestra coquista e comunicadora
pernambucana que milita pela preservação ambiental a partir da dimensão da natureza enquanto sagrado que é materialização do orixás.

 

Publicado em: 25/07/2021 - #Fé no Clima