Carta Juruti sustentável

  • Rayza Sarmento

é jornalista, atua como assessora de comunicação no Projeto de Assessoria ao Conselho Juruti Sustentável e promoção da Agenda 21 local.

CONJUSLevantar os problemas que mais atingem o município de Juruti e estabelecer ações para combatê-los de forma participativa, construindo assim a Carta Juruti Sustentável. Esse foi o resultado do I Seminário do Conselho Juruti Sustentável (CONJUS), realizado nos dias 13 e 14 de maio.

Mais de 200 pessoas, entre lideranças comunitárias das zonas urbana e rural, integrantes de movimentos sociais, empresários, estudantes e secretários municipais participaram do evento, além do prefeito Henrique Costa, que compôs a mesa de abertura. O Seminário foi um momento para que a sociedade jurutiense conhecesse melhor as atribuições do CONJUS, podendo assim aderir ao Conselho.

O coordenador geral do CONJUS, Francisco Oliveira, presidente da Colônia de Pescadores Z-42, afirmou que foi gratificante ver a aproximação de pessoas e entidades em busca do mesmo objetivo: contribuir para melhoria do município. “Agradeço a todos os participantes que acreditaram no Seminário e mais ainda aqueles que irão continuar no CONJUS a partir de agora”, disse Oliveira.

A metodologia desenvolvida pela equipe do Instituto de Estudos da Religião (Iser), que presta assessoria ao CONJUS desde 2009, fez com que no ato de inscrição o participante escolhesse qual grupo gostaria de integrar, de forma que estivessem agrupadas pessoas que atuam ou têm interesse nas áreas de saúde, meio ambiente, educação, cultura, turismo, infraestrutura e saneamento, desenvolvimento rural e urbano, segurança e cidadania.

Esses grupos funcionam no CONJUS como câmaras técnicas e são espaços de trabalho que contam com articulações entre sociedade civil, empresas e poder público para o encaminhamento de questões importantes do município. Durante os dois, já houve a definição de calendários e das pautas das próximas reuniões de câmaras técnicas, com base nas ações que formaram a Carta Juruti Sustentável.

A representante da Associação dos Produtores Familiar Grupo Unidos (Asprofagu), da região de Juruti Velho, Sandra Vieira, disse que o Seminário fez com que todos compreendessem melhor a realidade do município, em relação ao desenvolvimento rural e urbano. “Espero que esse evento se repita, pois só unidos que vamos conseguir melhorias. Pretendo continuar participando do CONJUS, pois sei que somos nós, população, os maiores beneficiados”, afirmou.

Jovens estudantes tanto do ensino superior, quanto do ensino fundamental e médio, também tiveram oportunidade de participar das discussões. Rodrigo Oliveira, aluno do 2° ano da Escola Raimundo Coelho, contou que se sentiu muito feliz em poder falar das preocupações dos adolescentes de sua cidade. “Gostei dos estudantes terem sido convidados e poderem não só ficar ouvindo, mas também dizer o que pensam”. O estudante participou da câmara técnica de Segurança e Cidadania e sua opinião foi muito valiosa, por exemplo, para o debate sobre violência juvenil que se travou com os representantes dos órgãos de segurança e trânsito, como Polícia Militar, Civil e Demutran.

A Carta Juruti Sustentável será publicada e também estará disponível, em breve, no site do Conselho Juruti Sustentável (www.conjus.org.br). Ela marca o início da construção de um Plano Local de Desenvolvimento Sustentável, no processo de Agenda 21 local. O modelo de agenda de 21 de Juruti, explica Marcia Gama, coordenadora do projeto de assessoria ao CONJUS, inova por haver agilidade entre a elaboração e execução das propostas. “As câmaras técnicas já começam os trabalhos exercitando a elaboração de estratégias para solucionar os problemas da suas áreas temáticas”, ressaltou. As ações que compõem a Carta Juruti Sustentável serão reavaliadas e renovadas em seminários anuais.